segunda-feira, 28 de abril de 2008

O Cego que Enxergava

Jo 9:41 “Disse-lhes Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece.”

Jesus ainda cura em nossos dias. Tenho ouvido muitos testemunhos de missionários que foram usados por Deus para que pessoas fossem curadas. Quanto a isso não há o que discutir, Deus ainda cura, porque a Bíblia diz que Ele cura, e esse fenômeno não se extingüiu ao longo dos tempos.
O que precisamos tomar cuidado é como interpretamos alguns textos da Bíblia para mostrar que Deus ainda cura. No texto acima do evangelho de João, Jesus havia curado um cego de nascença, de um modo bastante estranho, mas isso não será tema desse texto. Jesus untou os olhos do cego com lodo e saliva, e mandou-o que se lavasse no tanque de Siloé. O cego fez exatamente como o Senhor havia mandado e voltou enxergando. Houve muita confusão por parte dos fariseus porque a cura havia sido feita em um sábado. Uns diziam que se Ele (Jesus) fosse de Deus, Ele não curaria em um sábado. Outros diziam que ninguém curaria um cego de nascença, se esse não viesse de Deus.
Questionado por Jesus, o ex-cego crê que Ele era o Filho de Deus. Então Jesus declara: “Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não vêem vejam, e os que vêem sejam cegos. Imediatamente os fariseus que o acompanhavam perguntaram: “Também nós somos cegos?”, e então Jesus responde o texto chave que está no versículo 41.
Na visão dos judeus, esse cego só poderia ser um pecador, ou pelo menos seus pais, e prova disso é a pergunta que os discípulos fazem em 9:2: “quem pecou, este ou seus pais?”. Jesus responde que ninguém, que aquela visão dos judeus estava errada. Através daquele milagre Jesus continua no seu intento de revelar-se como o Messias, o próprio Deus encarnado, o Emanuel. O milagre era para a glória de Deus, pois só Deus poderia curar um cego de nascença, e Jesus o fez.
O versículo base é a chave para compreender a lição da graça de Deus, o que na verdade é a principal lição que Jesus quer ensinar aqui, muito mais profunda que o milagre da cura, que a meu ver, foi só um veículo para transmissão de tão grandiosa mensagem. O cego sabia que era cego, sabia que não tinha nehuma chance de cidadania dentro da sociedade judaica, nenhuma esperança de salvação, e talvez, ele mesmo, tenha-se perguntado muitas vezes: “Por que eu sou cego, eu ou meus pais pecaram?” Sem resposta, nenhuma esperança restava a não ser viver de uma forma indigente, sob preconceito e julgamento. E foi exatamente por isso que aquele cego foi alvo da misericórdia de Deus. Ele não possuia nada que o qualificasse, nada que o pudesse salvar. A graça de Deus veio para estes, que chegaram a conclusão que nada do que fizessem poderia salvá-los. Nós só alcançamos a graça de Deus, a salvação, quando nos conscientizamos que nada, absolutamente nada do que somos ou possuímos, tem algum valor salvívico perante Deus. Enquanto acharmos que enxergamos alguma coisa, então continuamos cegos, sem esperança, perdidos, e o nosso pecado permanece.
Esse é o milagre da graça, o favor imerecido de Deus, a obra que só o Emanuel poderia executar, e o fez.
A nós, somente resta nos entregarmos a tão maravilhosa graça, convictos de que nada em nós pode fazer-nos dignos da salvação. A única coisa que podemos fazer é crer, crer que Cristo é totalmente suficiente, e nós, eternamente dependentes. E lembre-se, se hoje você declarar-se cego diante de Deus, totalmente incapaz, então será alvo da Sua misericórdia, seus olhos se abrirão, e você verá a glória de Deus.

Um comentário:

Ariane disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.