sexta-feira, 25 de outubro de 2013

PARECIDOS COM ELE

Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois o veremos como ele é. 1 João 3:2

Aproximar-se de Deus resulta em se parecer com Ele. Impossível não ser assim. A medida em que nos aproximamos Ele vai imprimindo sua aparência em nós; não uma aparência física, mas de caráter.
O texto diz que sem o ver e sem haver sido manifestado o que realmente vamos ser já somos seus filhos, "meio parecidos", ou a caminho da semelhança. Mas o texto continua dizendo que quando Ele se manifestar e quando se manifestar o que realmente seremos, aí sim seremos semelhantes a Ele porque o veremos face a face em toda a sua glória.
Eu vejo neste texto uma ascensão na nossa semelhança com Jesus e tem de ser assim, necessariamente.
Quem teve um encontro real com Jesus nesta vida não pode mais continuar do mesmo jeito, algumas coisas precisam mudar. E não estou falando necessariamente dos religiosos, daqueles que frequentam uma igreja qualquer, porque isso não é nem de longe prova de um encontro genuíno com Jesus. Estou falando de algo profundo, intenso e verdadeiro. Estou falando daqueles que encontraram Jesus na própria vida, no caminhar, na luta, porque é aí que Jesus está e sempre esteve.
Li esta semana um relato de um livro do Frei Betto que contava de um monge que havia ido ao cume de uma montanha ver Deus e, depois de nove anos descobre que Deus não estava lá, mas lá embaixo na cidade, no meio da merda. Isso mesmo, na merda da vida, onde está todo o sofrimento da humanidade, onde está todo aquele que se afundou na lama da existência; é lá que está Deus.
Ele não está na "igreja", na montanha ou regendo as grandes religiões do mundo.
Quer encontrá-lo? Então vá aonde estiver alguém sofrendo ou sendo injustiçado, Deus estará lá consolando e dando forças ao cansado e aflito.
São nestes lugares mais sombrios onde se encontra Deus; não de forma física ou sobrenatural, sentindo arrepios ou coisas do tipo, mas observando sua manifestação na vida daqueles que não têm nada mais em que se apoiar a não ser o próprio Deus.
E quando você encontra Deus nestes lugares você não é mais o mesmo. Seu modo de ver a vida muda e você precisa fazer alguma coisa com essa mudança.
Já li muitos relatos de pessoas que foram fazer alguma obra social de impacto e tiveram suas vidas transformadas. Tiveram um encontro verdadeiro com Jesus.
E não pode ser diferente. O encontro com Jesus não tem volta, é definitivo.
Por isso dizemos que somente nos tornamos filhos de Deus após esse encontro com Jesus.
Porque ser filho de Deus não é somente um título que me dou apenas por conveniência e sem nenhuma responsabilidade sobre isso. Ser filho de Deus implica identificação e aceitação da minha responsabilidade de agir de acordo com a vontade do nosso Pai. Ser filho de Deus implica que eu preciso, devo, fazer alguma coisa com a mudança que Ele começou a realizar em mim. Ser filho de Deus implica sobretudo em manifestar o amor de Deus a todo aquele que estiver sofrendo injustiças nesta vida e eu tiver oportunidade de ajudá-lo.
Ser filho de Deus implica em reconhecer no outro o meu irmão, e só assim, vamos nos tornando mais parecidos com Jesus até o dia da semelhança perfeita.
Vou escrever algo bem forte agora, mas que creio do fundo do meu coração. Se não existe nenhuma empatia sua pela dor do próximo, então talvez você devesse sair pelo mundo a procurar Deus. Saia da sua igreja e vá procurar Deus onde Ele com certeza está. Vá nos orfanatos, asilos, presídios, busque Deus nas favelas, bares e becos escuros da vida. Nesta viagem, procure aliviar a dor daqueles que encontrar e, tenho certeza, encontrarás a Deus e sua vida nunca mais será a mesma.


"Pois assim diz o Alto e Sublime, que vive para sempre, e cujo nome é santo: "Habito num lugar alto e santo, mas habito também com o contrito e humilde de espírito, para dar novo ânimo ao espírito do humilde e novo alento ao coração do contrito. Isaías 57:15"

Nenhum comentário: