sábado, 12 de novembro de 2011

Contemplação na Tribulação

E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam...

Quando estamos passando por momentos difíceis temos geralmente duas reações: a primeira é sair correndo e tentar resolver a todo custo aquela situação que tanto nos incomoda. A segunda é a apatia que nos leva a um estado depressivo profundo onde nada é capaz de nos levantar.
Mais uma vez a lógica divina vem nos confrontar e nos mostrar um caminho alternativo mais excelente. Olhai os lírios do campo. Nem correira desenfreada e improdutiva e nem apatia, simplesmente a contemplação. E por que Deus usa este método de resolução de problemas? Porque Ele sabe que é através da contemplação que nossas mentes serão abertas para novas possibilidades, novos horizontes e novas idéias.

A contemplação nos faz viajar em um mundo que é real mas que geralmente não enxergamos porque estamos muito atarefados tentando resolver nossos problemas. A contemplação nos leva ao mundo espiritual onde Deus está trabalhando e de onde sairá a solução para nossas inquietações. Ironicamente, a percepção deste "mundo espiritual" não se faz de outra maneira senão que através da observância das coisas materiais. Lírios do campo, aves do céu, Deus nos convida a olhar a criação e enxergar nela seu amor. Provavelmente não veremos anjos subindo e descendo do céu, não veremos um homen de branco e nem rajadas de fogo. Veremos uma simples flor a desabrochar e enxergaremos o poder de Deus e seu cuidado paterno.

Para entrarmos neste mundo "invisível" tão próximo de nós, precisamos nos desligar de nossas inquietações por um momento e nos deixar envolver pelo falar silencioso de Deus: Não tenha medo, eu cuido de você como cuido deste lírio.

O mundo e seu modelo desenfreado de vida nos diria para sairmos à luta, encararmos os problemas como desafios e vencê-los. A teologia da libertação nos diria que devemos simplesmente decretar nossa vitória e declarar que não temos problemas. Jesus nos insta a contemplar a sua criação como meio de revelar seu amor e cuidado. Jesus nos leva para um aparente ócio, mas que na verdade é o início de um recomeço com a certeza de que Ele tem todo o controle de nossas vidas.

Portanto, quando a dor se tornar insuportável a ponto de você cair nos extremos da apatia ou do ativismo, "deixe" este mundo por alguns momentos e faça de sua contemplação uma oração a Deus. Deixe que a voz calma e silenciosa do Criador ecoe em sua mente com o frescor suave de uma brisa tranquila em uma tarde de primavera. Na próxima chuva deixe que algumas gotas caiam em seu rosto como prova de que Deus ainda se lembra de você. Na próxima tempestade, observe as nuvens negras e ameaçadoras e lembre-se de que Deus te ama com a fúria de um tufão.

A vida se tornará mais bela, e mais fácil de ser enfrentada, porque sua mente se abrirá e verá que Deus está presente em cada momento de sua história, por mais simples que isso possa parecer.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

EVOLUÇÃO E ORIGENS

O Brasil é um país predominantemente evolucionista. Nas escolas de ensino fundamental e médio, e, principalmente nas universidades, a teoria da evolução é tida como verdade absoluta sem possibilidades de refutação. Durante minha graduação em ciências biológicas, um grupo de alunos cristãos e eu, fomos até o orientador do curso pedir que ele convidasse o professor Adauto Lourenço (físico que dá palestras sobre o criacionismo criando um paralelo com as evidências científicas) para a semana científica da universidade. A resposta dele foi direta: “Criacionismo não é ciência”. Estudávamos em uma universidade católica. Mas como Couch afirma, a própria igreja católica considerou o evolucionismo irrefutável nas pessoas dos papas Pio e João Paulo II. 1
Por que é importante discutir este tema nas igrejas e deixar clara a posição bíblica? O simples fato de não haver outro tipo de teoria sendo ensinado nas escolas já é motivo suficiente para alertar os cristãos, e principalmente os jovens, com relação à teoria engessada do evolucionismo que exclui Deus da história do universo e da vida das pessoas.
Por isso é sumariamente importante reafirmar a posição bíblica criacionista em nossas igrejas. E a primeira razão é porque se não afirmarmos esta posição estaremos indiretamente negando a inerrância bíblica. A narrativa bíblica da criação em Gênesis não nos dá muitas opções de interpretação senão a que Deus criou todas as coisas.



Existe uma linha de interpretação, que é a evolucionista teísta, que tenta conciliar as duas correntes, evolucionista e criacionista, dizendo que Deus usou a evolução natural para criar os seres vivos. Todavia, este tipo de interpretação encontra algumas dificuldades, como por exemplo, a criação de Eva 2. Também de acordo com esta linha, os dias em Gênesis são de fato eras, ou um espaço muito grande de tempo. Não haveria problema nesta interpretação se em outras passagens de Gênesis houvesse o uso da palavra significando era ou um longo período de tempo, mas na grande maioria das vezes em que esta palavra é usada, ela significa um dia de 24 horas 3.

A segunda razão que torna falha esta interpretação é em virtude de não existirem evidências científicas que demonstrem a macro evolução; não há fósseis conhecidos de espécies intermediárias entre os organismos dos diferentes grupos de animais 4. O elo continua perdido.

A evolução está fundamentada basicamente em dois pilares: as mutações genéticas e a seleção natural. As mutações são os mecanismos de mudança e de variação para a evolução das espécies, e a seleção natural é o instrumento de perpetuação destas mutações. Foi Charles Darwin quem fez as primeiras observações em seu livro A Origem das Espécies, e que mais tarde deram corpo a estas idéias, e que levaram ao evolucionismo como é hoje. O problema enfrentado hoje pelos evolucionistas é manter a visão darwinista diante das recentes descobertas científicas em nível molecular. Darwin não tinha microscópios potentes como temos hoje e jamais poderia supor os mecanismos inter e intracelulares que acontecem nos organismos. Além do que, não possuía conhecimento da genética.

A seleção natural, indispensável à evolução, mantém somente as mutações benéficas ao organismo e, com isso, elimina os menos adaptados, mantendo assim, apenas os indivíduos mais adaptados. O problema é que muitos mecanismos moleculares que conhecemos hoje jamais poderiam ter existido, baseado na concepção da seleção natural. Se somente os mais adaptados sobrevivem, durante o processo evolutivo, estes mecanismos teriam eliminado os próprios organismos que os mantinham, visto que, durante o processo, o mecanismo não estava funcionando ainda. É como um motor; ele somente poderá funcionar depois de completamente montado; durante a construção é impossível ligá-lo. Um exemplo disso é o flagelo de alguns microorganismos. Quando observado microscopicamente, o flagelo funciona como uma verdadeira máquina com motor e engrenagens de funcionamento extremamente complicado. Cada uma das partes do flagelo é indispensável ao funcionamento do mesmo, e, se apenas uma das partes faltar, o flagelo simplesmente não funciona. É o que chamamos de complexidade irredutível. Este é apenas um dos exemplos que a seleção natural não consegue explicar, visto que, se fôssemos aplicar o princípio da seleção a este exemplo do flagelo, a própria seleção o excluiria na primeira tentativa de mutação. Os organismos flagelados simplesmente não existiriam porque não possuiriam mecanismos de locomoção.

Há algum tempo, vários cientistas insatisfeitos com a teoria darwiniana, propuseram a teoria do Intelligent Design, ou Desenho Inteligente, onde existe a idéia de uma mente criadora que pensou e projetou tudo o que existe. E, apesar de ser quase óbvio para nós cristãos que esta mente criadora chama-se Deus, há muitos cientistas, inclusive ateus e agnósticos, que acreditam nesta teoria e a defendem como a mais provável diante do que conhecemos hoje em termos moleculares.
A questão é que esta hipótese do desenho inteligente só é discutido em alguns meios científicos e a maioria da população nem tem noção da existência deste pensamento, que vem tomando forma e conseguindo adeptos a cada dia. Por isso a necessidade desse tipo de discussão em nossas igrejas, como um meio de proporcionar argumentos sólidos aos crentes, frente aos ataques da comunidade científica evolucionista. E, talvez o mais importante, criar subsídios para que os jovens estejam preparados ao se confrontarem com a teoria da evolução, dita incontestável, nos meios acadêmicos que eles freqüentarão.

Na verdade, a Bíblia não necessita de fundamentação científica para que seja considerada como a Palavra de Deus (isto depende de fé) , todavia, é no mínimo interessante que a própria ciência esteja caminhando em direção ao Criador. Depois de muitos anos vivendo sob o peso da teoria evolucionista, surge uma proposta diferente e inteligente que acabará inevitavelmente glorificando a Deus como o Criador de todas as coisas.
A igreja tem vivido acuada durante todo este tempo em que a teoria darwinista reinou no mundo todo, mas entendo que é chegada a hora de darmos uma reviravolta no jogo e mostrarmos que existe uma proposta inteligente e bíblica para a questão da origem dos seres vivos e especialmente do homem. Mais do que nunca devemos expandir esta idéia e mostrar que a Bíblia tinha, tem e sempre terá razão porque é a Palavra de Deus viva. A crença na criação do homem por Deus é importante, porque é a base para mostrar que Deus tem um plano na vida de cada pessoa, porque foi Ele próprio que a criou para o louvor da sua glória.

1 COUCH, Mall, Os fundamentos para o Século XXI. São Paulo: Hagnos, 2009, p.141.
2 RYRIE, Charles C., Teologia Básica ao Alcance de Todos. São Paulo: Mundo Cristão, 2004, p.196.
3 RYRIE, Charles C., Teologia Básica ao Alcance de Todos. São Paulo: Mundo Cristão, 2004, p.212.
4 COUCH, Mall, Os Fundamentos para o Século XXI. São Paulo: Hagnos, 2009, p.149.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

APENAS PÓ

Deuteronômio 32:10-12 "Numa terra deserta ele o encontrou, numa região árida e de ventos uivantes. Ele o protegeu e dele cuidou; guardou-o como a menina dos seus olhos, como a águia que desperta a sua ninhada, paira sobre os seus filhotes, e depois estende as asas para apanhá-los, levando-os sobre elas. O Senhor sozinho o levou; nenhum deus estrangeiro o ajudou."

Moisés estava prestes a morrer e em uma tentativa última de pedir ao povo fidelidade a Deus, proclama este cântico maravilhoso que está descrito no capítulo 32 de Deuteronômio.
Não sei você, mas eu me sinto infinitamente não merecedor da graça de Deus. Você pode pensar: mas não é assim que deve ser? É assim que deve ser, mas nem sempre é.
O orgulho humano nos leva muitas vezes a pensar que aquilo que fazemos a Deus é na verdade fruto de nossa capacidade, intelectualidade, de nossa força. Nos esquecemos de onde Deus nos tirou e a transformação que Ele fez em nossas vidas.
Esquecemo-nos que estávamos na situação descrita pelo poeta Moisés: numa região árida e de ventos uivantes, ou seja, no deserto. Perdidos, com sede, com fome, longe da civilização, no frio da noite desértica, sujeito aos animais famintos e prontos a atacar. Essa era nossa condição quando Cristo nos encontrou, sem esperanças e sem futuro.
Não passaríamos daquela noite, mas Ele nos achou. Protegeu-nos, cobriu-nos, cuidou de nossas feridas e nos guardou como a menina de seus olhos. O que fazemos quando um cisco entra em nosso olho? Não tentamos tirá-lo desesperadamente? Foi assim que Deus nos amou, desesperadamente, e nesse desespero Paterno, Ele continua a nos guardar e a nos proteger.
Por isso me sinto tão indigno, tão pequeno e tão pecador. Cada vez que me deparo com o tamanho sem fim do amor de Deus, não posso sentir outra coisa senão incapacidade e insuficiência. Este é o efeito inevitável do limitado em contato com o Eterno, do pecado em contato com o Santo, do finito em contato com o Infinito e Transcendente.
E neste instante de vislumbramento e devoção só resta nos prostarmos diante d'Ele e declararmos nossa dependência total e irrestrita.
Por isso que no reino de Deus não cabem super-crentes. Não cabem "super-homens" com mais unção ou mais poder. Nesse negócio chamado igreja só cabem pessoas dependentes e carentes, não da força da mulher como diria o Erasmo, mas da força da Deus e de sua infinita graça.
Lugar de super-crentes é junto dos fariseus, e pelo que me consta, Jesus não era muito fã deles não.
E pensando nisso, lembrei de uma música do meu amigo Ezequiel Santos do Quarteto Dom Livre que diz assim: "Mas se eu ousar pensar que mereço seu favor, podes me lembrar Senhor, quando tudo começou, eu era apenas pó."

Que Deus nos abençoe!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

FÉ SEM MAGIA

Jo 10:40-42 "E retirou-se outra vez para além do Jordão, para o lugar onde João tinha primeiramente batizado; e ali ficou. E muitos iam ter com ele, e diziam: Na verdade João não fez sinal algum, mas tudo quanto João disse deste era verdade. E muitos ali creram nele.

O Batista me inspira. Cara simples, simples mesmo. Sem vaidade alguma. Sem querer impressionar ninguém. Sem aspiração pela fama e pelo sucesso. Sem pretensão de grandes realizações, mas com uma certeza inabalável do seu papel neste mundo.

Como o texto menciona, o Batista não realizou nenhum milagre, nadica de nada. Não fez ninguém ficar próspero, não curou ninguém, não expulsou demônios, nada. Apenas batizou, chamou todo mundo de cobras traiçoeiras, disse que o reino de Deus estava próximo e apresentou Jesus. Este foi seu ministério.
E ao contrário de muitos outros lugares onde Jesus fez muitos milagres, neste lugar, além do Jordão, as pessoas creram em Jesus porque viram que o que João disse a seu respeito era verdade. A verdade nas palavras do Batista fizeram com que as pessoas cressem em Jesus.

Acho que aí está o segredo de uma vida abençoada, integridade e humildade. O Batista era íntegro em suas palavras e em seu modo de vida. Sua simplicidade verdadeira dava credibilidade ao que falava e sua vida confirmava suas palavras. E acho também que este deve ser um exemplo no qual deveríamos nos espelhar.

E o modo como aquele pessoal creu revela a fé mais pura e sincera. A fé sem sinais. A fé no vazio da existência. A fé na falta de tudo, mas ao mesmo tempo tendo a certeza de que tudo vai chegar. Não foi assim que os samaritanos creram em Jesus, apenas por sua palavra? Sem sinais, sem prodígios e sem milagres.

Eu creio em milagre sim, minha vida é um milagre. O que não creio é nessa banalização dos milagres como se fossem mercadorias baratas que se encontram nas prateleiras. Creio no milagre mais simples, não comum, simples. Creio no milagre de uma flor a desabrochar, no transformar da semente em planta, na síntese de proteínas que ocorre a todo momento em nosso corpo, no mundo invisível que está presente em cada gota de água suja formada pela chuva no meio da rua.

O milagre nos rodeia e está presente em cada singela expressão da criação; nós é que não o enxergamos.

E parece que os maiores milagres ocorrem nesta simplicidade que passa despercebida para a maioria, mas que os olhos de fé conseguem enxergar.

Peço a Deus esta fé. A fé de Habacuque que agradece mesmo diante do nada. A fé em enxergar a mão de Deus em cada pequeno detalhe. A fé em ser um discípulo sem grandes pretensões e sem nenhum sentimento de vaidade. A fé de sempre me achar insignificante e limitado, mesmo diante de aplausos. A fé da dependência absoluta em Deus. Na saúde ou na doença, na riqueza ou na pobreza, no deserto ou na cidade.
Que o Batista sempre nos inspire. Nossa vida deve sempre mostrar Jesus e nada mais.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Vasos de Barro

Jeremias 18:4 "Mas o vaso de barro que ele estava formando se estragou-se em suas mãos; e ele o refez, moldando outro vaso de acordo com a sua vontade."

Somos vasos em construção. Tudo em nossa vida está em constante e ininterrupta mudança. Por isso não tenho verdades absolutas comigo. Por isso mudo constantemente minhas provisórias "verdades". Não tenho mais crises com estas mudanças, visto que dia-a-dia, andando e conhecendo o Senhor, temos mesmo é que mudar.
Como já disse o Stênio, nossa vida é um grande tapete que o tapeceiro vai construindo devagar, incansável e paciente. É mais ou menos a mesma metáfora do oleiro que Jeremias foi visitar. Nada pronto, mas em constante construção.
E a construção se faz por culpa de Deus? Será que Ele se engana e por isso precisa refazer tudo de novo? De modo algum. Nós é que nos estragamos em suas mãos quando queremos agir por conta própria.
Mesmo entendendo que Deus conhece a história e nossos tropeços futuros, e apesar de nada surpreender Deus, entendo de forma bastante limitada, que Ele tem sempre um plano B; e um C, D, E, e quantos forem necessários para que nossa vida seja moldada de acordo com Sua vontade. A única diferença entre um plano e outro é a quantidade de tombos que tomaremos antes de entendermos e aceitarmos viver por aquilo que Deus traçou.
Não foi Deus quem predestinou a sua quebra quando estava sendo moldado por Ele, foram seus próprios atos de rebeldia que proporcionaram a quebra. O plano B de Deus, ou a nova moldagem do vaso, é pura e simplesmente a Sua misericórdia fazendo algo novo em tua vida. É o Seu amor que não nos deixa perder-nos em nossos desvarios.
E foi exatamente para isso que fomos chamados: sermos vasos. Recipientes que contenham coisas boas. Vazios não temos muita utilidade, mas cheios do Espírito Santo somos veículos das boas novas de Jesus ao mundo. E para sermos cheios do Espírito precisamos estar vazios de nós mesmos.
Este é o trabalho do oleiro: modelar o vaso para que ele se torne útil.
Que Deus nos ajude e nos modele a cada dia.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

OS NOVOS APOLOGISTAS

Venho recebendo uma série de e-mails, mensagens no facebook, etc, etc, de algumas pessoas que se consideram apologistas, criticando alguns pastores que estão na berlinda, só porque trouxeram uma nova visão de igreja que se perdeu no legalismo religioso. Entre estes pastores estão o Gondim, o Kivitz e agora o Elienai Cabral Junior. Não tenho nada contra nenhum deles, muito pelo contrário, são pessoas que se cansaram da hipocrisia da igreja, assim como eu, e resolveram tentar mudar alguma coisa. Nenhuma mudança ou quebra de paradigma é fácil, tráz desavenças e discussões sem fim. Mas não estou aqui para falar deles, quero falar dos supostos defensores da fé cristã, porque é assim que se intitulam, defensores da fé histórica.
Bom, já que gostam tanto de história, deveriam estudar um pouco e ver que a história da igreja cristã teve momentos sombrios e sangrentos, momentos dos quais deveríamos nos envergonhar. E não me venha falar de história após reforma protestante. Nossa história começa no pentecoste com Pedro abrindo as portas do reino como prometido por Jesus em Mateus 16:19, passa por Constantino sim senhor, passa pela idade das trevas sim senhor e chega até a reforma. E não pensem que o derramamento de sangue acabou com a reforma, a Irlanda está aí até hoje colhendo os frutos disso.
Os defensores do cristianismo histórico deveriam colocar tudo isso em pauta se querem tanto defender a doutrina histórica. Aliás, às favas com a doutrina histórica, o que vale pra mim é tão somente a doutrina bíblica, interpretada da forma mais pura possível, já que interpretação pura é utopia.
Os defensores do cristianismo histórico deveriam lembrar que por centenas de anos fechamos as portas do reino para as pessoas que achávamos que não se adequavam aos padrões do nosso "cristianismo histórico". Mandamos muita gente para o inferno com a desculpa da moral e da ética, utilizando como pretexto os bons costumes; mas esses bons costumes na verdade sempre coibiram o preto, o pobre e a prostituta de adentrarem no reino, porque na mente doente destes legalistas o reino foi feito pra gente "certinha" que se enquadrava no esquema.
Então na verdade, o que eu acho mesmo, é que os legalistas estão com medo porque estes pastores estão tentando abrir as portas do reino para aqueles que realmente precisam do reino, os doentes do nosso mundo (ser igreja para quem não gosta da "igreja" e de quem a igreja não gosta). Estes legalistas estão com medo que no próximo domingo, no culto de adoração, tenham que se sentar ao lado de um bêbado fedido, uma prostituta mais atraente que as esposas deles ou um travesti de saia e maquiagem, e pior, vê-los cantando o mesmo cântico que eles (nossa, que blasfêmia!).
Estou cansado de hipocrisia, estou cansado de crente medíocre que só sabe criticar, mas não faz nada pelo reino, não estou falando pela "igreja", estou falando pelo reino. Estou cansado dessa babaquice de querer taxar quem está apto ou não para se apossar do reino.
Graças a Deus o reino está aberto, Jesus o inaugurou e nenhum medíocre vai fechá-lo.
Enquanto o cara de boné, sentado ao nosso lado na igreja nos incomodar mais que o mendigo sem ter o que comer; incomodar mais que o sofrimento da prostituta que está muitas vezes clamando por liberdade, do pobre que não tem o que comer e nem o que vestir, enquanto a música do culto for mais importante do que a miséria que assola a nossa sociedade, então nosso cristianismo está a anos-luz do cristianismo vivido e ensinado por Jesus, e se esse for o caso precisamos nos converter de novo, precisamos pedir para que Jesus nos quebre até que entendamos o que realmente importa para o reino.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Tempo de Refrigério

Lucas 10:42b "Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada"

Você já teve a impressão de que hoje em dia o tempo passa mais rápido? Já teve também a impressão de que na tua infância o tempo demorava mais pra passar? A semana passa voando porque não vemos a hora de chegar o fim de semana. O fim de semana passa voando porque ficamos tão ansiosos por querer aproveitar o tempo da melhor maneira, que quando nos damos conta já foi. É frustrante essa percepção de que a vida passa mais rápido do que gostaríamos.
Mas pergunte a um morador do campo, não do campo moderno, mas um daqueles das antigas, agricultor de subsistência, pergunte a ele se tem esta mesma percepção e provavelmente ele dirá que não. Ele ainda consegue viver seu dia bem vivido, fazendo uma coisa por vez, de forma bem tranquila.
Na verdade o tempo passa do mesmo modo que quando éramos crianças e hoje, do mesmo modo na cidade e no campo. É a nossa correria e agitação que nos engana e nos faz pensar que tudo corre mais rápido.
Costumo dizer que se pudesse moraria no campo, jogaria fora os celulares e tentaria viver uma vida com mais qualidade. Mas infelizmente não podemos, ou talvez não tenhamos coragem de deixar as "comodidades" da cidade grande.
Independente de ser possível ou não, viável ou não, devemos pelo menos buscar em meio a tudo isso, momentos de refrigério. Momentos que nos possibilitem "desligar" deste mundo louco e nos ligar em outro mundo "mágico". Estou falando de momentos com Deus.
A agitação e o corre-corre nos tirou inclusive os momentos de conversa com Deus. Não temos mais tempo para isso. Ouvi certa vez de uma pessoa que para repor esses momentos ela ouve pregações no carro enquanto dirige. Nada contra ouvir pregações no carro, mas sinceramente sinto que é uma alternativa no mínimo insuficiente. É na verdade só um paliativo para tapar nossa falta.
Precisamos de momentos de refrigério, momentos de tranquilidade e silêncio onde a sensibilidade para ouvir a voz de Deus é aguçada e onde nosso espírito pode encontrar consonância com o Espírito de Deus.
A princípio você achará que está perdendo seu precioso tempo, porque sua mente está acostumada ao ativismo desenfreado, mas com o tempo perceberá quão preciosos foram estes momentos e quão úteis para a sua espiritualidade.
Existe tempo pra tudo. Existe tempo de correr para uma atividade qualquer, mas deve existir tempo para se sentar e ouvir a voz de Deus e também poder falar com Ele. Este tempo não deve ser negligenciado com pena de passarmos pela vida sem experimentarmos uma comunhão mais profunda e transformadora com Deus. Se você escolher "gastar" seu tempo aos pés de Jesus, com certeza esse tempo não lhe será tirado.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

EU SOU A VOZ DO QUE CLAMA NO DESERTO

Calma, não estou querendo tomar o lugar do Batista. Mas cara porreta tá aí, num bom linguajar nordestino. Já li alguns comentários que dizem que o Elias prometido em Malaquias foi o próprio Batista, mas ele mesmo declarou: Eu não sou o Elias. O que você é então João? Sou apenas uma voz, não sou nada não, uma voz somente, uma voz que grita aos berros no deserto deste mundo: Endireitai o caminho do Senhor. O Batista sabia sem sombra de dúvidas quem ele era: precursor do Messias, aquele que iria abrir o caminho para que Jesus entrasse em cena. Esta era a identidade do Batista.
Carecemos hoje de cristãos com identidade, e de preferência, com boa identidade.
Temos sido marcados, infelizmente, por fraudes, falta de integridade, maus exemplos, enfim, nada que faça jus aquilo que realmente dizemos ser: cristãos.
Precisamos dizer a todo o tempo: Sou "evangélico", porque nossas ações não conseguem demonstrar isto. Nosso proceder nega e contradiz completamente aquilo que dizemos ser.
Falta integridade e temor a Deus no povo que se chama pelo nome d'Ele.
Mas faltam também vozes que clamem no deserto deste mundo deturpado e doente. Vozes que novamente estejam dispostas a escancarar o pecado a fim de que possa haver arrependimento e retorno.
As pessoas estão vivendo em seus pecados de forma natural, simplesmente porque o pecado não é mais apontado como tal. Trocamos o discurso do pecado pelo discurso da prosperidade e do bem viver aqui na Terra.
Maldita teologia da prosperidade que tirou o que de mais precioso tínhamos: temor a Deus e o desejo para que o reino de Deus se concretizasse de forma plena.
Que Deus me ajude a ser uma voz que clame no deserto, mesmo que seja de forma tímida em razão de minhas limitações.
Este é o meu desejo!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Dialogando com Deus

"Então o SENHOR respondeu a Jó de um redemoinho, dizendo:..."

Jó teve uma experiência extraordinária. Dialogou com Deus como se estivesse falando com um ser humano, uma pessoa comum; mas era o próprio Deus quem falava. É certo que quando Deus começou a falar com ele foi para colocar os pingos nos "is" e colocar Jó e seus amigos em seus devidos lugares, de criaturas. Mas de qualquer forma, Deus falou com ele em um diálogo franco e aberto, direto, aparentemente sem espaços cronológicos muito grandes. Deus falou e Jó ouviu com as orelhas que a terra haveria de comer. Este é um privilégio de poucos e Jó pôde experimentá-lo.
Por que mesmo sendo corrigido de forma severa por Deus é bom ouvi-lo? Porque no meu entender a coisa mais angustiante que um ser humano pode experimentar é o silêncio de Deus. Sabe quando você espera por uma resposta, não se contém de tanta ansiedade e a resposta não vem de forma definitiva? Deus até fala, mas a coisa toda não se concretiza e a segunda-feira chega para devolver toda aquela expectativa que vem sendo vivida.
Eu sei que Deus tem seu tempo, eu sei que Ele tem seu modo de agir, eu sei que Ele está nos moldando em seu processo, mas se você é pecador, limitado e ansioso como eu, sabe que esse processo é no mínimo torturante.
Quando estamos neste processo de tentar ouvir a voz de Deus a qualquer custo, até pro "horóscopo evangélico", mais conhecido como preciosas promessas nós apelamos, na ânsia de entender o que se passa. E o incrível, é que pela sua misericórdia, até este método pouco recomendado Deus usa para nos falar. Ele é soberano e age como quer.
Onde eu quero chegar escrevendo isto? Não sei, e na verdade só estou escrevendo pra desabafar; tentar de alguma forma chegar a conclusão que eu já sei e que é óbvia, de que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável e que no tempo certo Ele responderá de forma definitiva e clara, como o dia que está lá fora brilhando nesta manhã de segunda-feira.
E neste momento a única oração que faço é esta: Senhor, se for possível, responda-me como fizeste com teu servo Jó, todavia, se não for possível, ajuda-me a esperar e confiar em tuas promessas.

Ensina-me a fazer a tua vontade, pois és o meu Deus. O teu Espírito é bom; guie-me por terra plana.

Salmos 143:10

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Eu Escolho a Graça!

Romanos 11:32 "Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia"

Deus em sua soberania, nos deu o direito de aceitar a sua graça, porque Ele nunca quis robôs, mas sim filhos que o amassem!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

ECOS DE LAUSANNE III

O Congresso Internacional sobre Evangelização Mundial Lausanne III, realizado em 2010 na Cidade do Cabo, na África do Sul, terá seus desdobramentos para a América Latina, discutidos no Brasil.

Entre os dias 13 e 15 de junho acontece o Ecos de Lausanne III, para a Igreja Latino-Americana na Faculdade Teológica Batista de São Paulo.

O evento é voltado para professores cristãos, líderes de igrejas e de ministérios. As inscrições ficam abertas até o dia 6 de junho.

Os preletores René Padilla, Antonia Leonora van der Meer, Ariovaldo Ramos, Durvalina Barreto Bezerra, Ed René Kivitz, Margaretha N. Adiwardana e Silvia Kivitz abordarão os seguintes temas:

• O movimento de Lausanne: retrospectiva e desafios.

• Caminhos de Lausanne e as trilhas da Missão Integral: diálogos e descompassos.

• Missão integral em contextos de catástrofe.

• Contribuição da mulher na missão integral.

• Perspectivas da Missão Integral na Igreja Brasileira.

• Fundamentos bíblicos da missão integral.

• A missão integral e o futuro do movimento evangélico.

Mais informações no site: http://www.apmb.org.br/

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Felicidade do Crente - O Contra-senso da Lógica

"Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa." Mateus 5:10-11

Este texto é humanisticamente ilógico e irreverente. Brinca com nossa mais profunda convicção de justiça e do que é correto.
Enquanto o mundo busca a felicidade a qualquer preço, mesmo que para isso tenha que ser desleal e não íntegro, Jesus vem dizer que feliz é aquele que sofre. Sofre porque é justo, porque é correto, íntegro e tenta viver uma vida digna. Sofre porque, ao viver uma vida honesta é perseguido. É perseguido porque não aceita entrar em falcatruas e jogos de poder. É perseguido porque não aceita levar vantagens desonestas e prefere sair perdendo do que agir com engano. É a esse tipo de perseguição que Jesus está se referindo; aquele que é perseguido porque é correto. Jesus não está se referindo àquele que sofre porque agiu errado e por isso está colhendo os frutos de sua ação.
Infelizmente está faltando no meio cristão pessoas que escolheram sofrer por causa da justiça, e mais infelizmente ainda, está sobejando falsos mestres e crentes que são perseguidos sim, mas por causa de sua má reputação, por causa de sua vida mesquinha e mundana.
Eu luto com minhas falhas e pecados dia após dia e tento vencer com a ajuda de Cristo, mas apesar disso, eu gostaria, com a graça de Deus, de ser reconhecido como um verdadeiro cristão no final de minha vida. Não quero que meu nome esteja envolvido com escândalos e baixarias. Não quero que me vejam como aquele que se aproveita do ministério para benefício próprio. Quero antes que me vejam como alguém que se sacrificou por seu rebanho, alguém que despendeu sua vida em pról do evangelho de Jesus e por amor a Ele.
Digitamos o nome de qualquer pastor televisivo no google e a maioria dos links mostrados são de crítica e escândalos. O nome de todos eles estão envolvidos de alguma forma com algum procedimento ilícito. Não é a esse tipo de perseguição que Jesus se referiu. A perseguição  que traz felicidade é a perseguição que sofreram os mártires; a perseguição do crente fiel que não tem medo de dizer a verdade doa a quem doer; a perseguição do pastor e líder que decidiu doar sua vida de forma irrestrita para levar o evangelho de Jesus aos quatro cantos.
Diante do caos e do quadro lamentável que vive a "igreja"¹ brasileira, cabe aqui uma pergunta: Se se levantasse no Brasil uma perseguição aos cristãos, quem subsistiria?

Felizes os perseguidos...porque vosso é o reino de Deus... (por mais ilógico que isso pareça)


¹ Igreja em sua forma institucionalizada

sexta-feira, 25 de março de 2011

Canção aos Miseráveis

Cantarei aos miseráveis que vagam pelo mundo
Desesperados, cansados de sua vida débil
Que acordam cedo e vão ao lixo
Achar no podre os seus destinos
Por que existem?
Misericórdia aos miseráveis, piedade aos miseráveis
Que não têm mãe nem coisa alguma
Que choram pra viver
Que vivem sem querer

                                                                                           Fábio Machado - Em algum lugar do passado...

segunda-feira, 21 de março de 2011

Agora - Myrtes Mathias

Desde minha adolescência, sempre fiquei fascinado com as poesias da Myrtes. Era como se aquelas palavras sondassem meu coração e revelassem tudo o que se passava com minha alma. Talvez porque ela, assim como a maioria, passou pelos mesmos dilemas e questionamentos. Talvez porque somos humanos e temos muito mais em comum do que imaginamos, virtudes e fraquezas, mais fraquezas que virtudes. Que esses pensamentos que um dia permearam a mente da poetisa, e que um dia acalentaram meu coração confuso, possam ser refrigério para sua alma e certeza de que Deus também fala através da arte.

"Se queres dar-me uma flor,
faze-o antes que eu morra...
Se podes, hoje, fazer o milagre de um sorriso no rosto que chora,
não coloques flores sobre tumbas.
Se queres dar-me uma flor, faze-o agora.
Se podes dar um lar ao orfãozinho,
abrigo ao pobre que geme lá fora,
não encolhas a mão - Deus está vendo.
Se podes dar uma flor, faze-o agora.
Se conheces o eterno Caminho
Que leva ao templo onde a alegria mora,
Não guardes egoísta o teu segredo;
Se podes dar-me uma flor, faze-o agora.
Se podes dizer em uma frase linda,
algo que faça a tristeza ir embora,
dize-o enquanto posso agradecer sorrindo.
Se podes dar uma flor, faze-o agora.
Que farei eu das orações, das flores,
quando do mundo já não mais eu for?
Aos pés de Deus eu as terei tão lindas,
Que não precisarei do teu amor.
Não esperes o instante da partida.
Se queres me fazer feliz, faze-me agora.
Para que chorar de remorso e saudade?
Custa tão pouco a felicidade,
Dá-me uma flor antes que eu vá embora!"

terça-feira, 8 de março de 2011

Sede Santos

Santos sem santidade são a tragédia do cristianismo.
                                                                              (A. W. Tozer)

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Levantai os olhos... e vede o campo (Myrtes Mathias)

Lá fora, além das paredes que te cercam

e protegem, longe do calor que te aquece

o corpo e o coração,está a grande vinha do Senhor;

crianças que perderam os pais,

mil mulheres que vendem o corpo,

milhões de jovens que procuram uma razão de ser;

povo, que é teu povo, caminhando

irremediavelmente para o abismo...

Pára. Olha. Pensa. E ouve teu desafio

na própria voz do Mestre:

“Levantai os olhos e vede...

Vai hoje trabalhar na vinha...”

Ainda é tempo de obedecer,

alcançar a vinha aqui, ali, além;

sustentando aqueles que vão,

onde estiver um deles pregando a salvação,

tu estarás, também.