quinta-feira, 6 de junho de 2013

ENSINA A CRIANÇA II

"Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo com o passar dos anos não se desviará deles." Provérbios 22:6

Tenho falado sobre este assunto com algumas pessoas nas últimas semanas porque acredito nisso de verdade.
Esta frase é do pregador Salomão que em uma outra versão diz: "Forma o jovem no início de sua carreira".
A sociedade em que foi escrito este texto era uma sociedade formada basicamente na família. O centro de toda a vida social, religiosa, política, estava baseada no núcleo familiar. Era neste núcleo que se formava o jovem judeu e a jovem judia.

O templo só servia para os sacrifícios, e as sinagogas, após o cativeiro, tinham o papel de ensinar e manter o povo unido. Mas o discipulado e a educação dos filhos se dava em casa e somente em casa.
Por que estou dizendo isto? Porque acho que cometemos um erro grave ao terceirizarmos a educação religiosa dos filhos para as igrejas.
As escolas bíblicas dominicais como conhecemos hoje, foram criadas com objetivos mais sociais que religiosos. Era uma maneira de alfabetizar crianças que não tinham o acesso à educação formal, e dentro desta educação também se ensinava religião. Com o tempo ela perdeu o apelo social (infelizmente) e foi focada única e exclusivamente no ensino religioso. Paulatinamente, o papel que era dos pais, foi passado integralmente para as igrejas que tiveram que se organizar para poder oferecer diversidade de ensino para os filhos de seus membros, tornando-se mais uma classe de pessoas dentro da igreja se servindo dos serviços que a igreja oferecia.
Como "bons" seres humanos espertos, esses pais acreditaram (ou fingiram acreditar por comodidade) que o sucinto estudo do domingo seria suficiente para discipular seus filhos e fazê-los bons discípulos de Jesus.
Até duas ou três gerações passadas ainda estávamos vivendo o fim da modernidade, quando não se admitia contrariar os pressupostos. Época em que postulados foram criados como certos e eternos. Mas chegou a pós-modernidade, época em que tudo é questionado e não se pode mais falar em absolutos. Com isso, as crianças e adolescentes que foram e estão sendo formados na pós-modernidade estão vendo uma lacuna intransponível entre o que se fala nas "escolinhas" da igreja e a vida vivida no lar, simplesmente porque hoje (graças a Deus) elas podem opinar e questionar.
Resultado? Pais problemáticos, filhos problemáticos, vidas duplas, excesso de religiosidade e falta de espiritualidade e, acima de tudo, pouquíssimo compromisso com o verdadeiro evangelho de Jesus, nenhuma identificação com o real discipulado.
Apenas para fomentar seu incômodo: uma parcela significativa da população dos presídios e das fundações CASA é composta por filhos e filhas de cristãos, sobretudo a ala evangélica.
Por isso questiono a eficiência da terceirização da educação cristã e conclamo aos pais a chamarem para si novamente esta responsabilidade.
Acredito que devemos viver como se não existisse educação cristã nas igrejas, entendendo que a incumbência é somente nossa, pais e mães.
Por fim, gostaria de colocar um texto que encerra todo o assunto, um texto que temos negligenciado como cristãos e que por conta disso temos pago um preço muito alto.


"Esta é a lei, isto é, os decretos e as ordenanças, que o Senhor, o seu Deus ordenou que eu lhes ensinasse, para que vocês os cumpram na terra para a qual estão indo para dela tomar posse.

Desse modo vocês, seus filhos e seus netos temerão ao Senhor, o seu Deus, e obedecerão a todos os seus decretos e mandamentos, que eu lhes ordeno, todos os dias da sua vida, para que tenham vida longa.

Ouça e obedeça, ó Israel! Assim tudo lhe irá bem e você será muito numeroso numa terra onde manam leite e mel, como lhe prometeu o Senhor, o Deus dos seus antepassados.

Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor.

Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças.

Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.

Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.

Amarre-as como um sinal nos braços e prenda-as na testa.

Escreva-as nos batentes das portas de sua casa e em seus portões.

O Senhor, o seu Deus, os conduzirá à terra que jurou aos seus antepassados, Abraão, Isaque e Jacó, que daria a vocês, terra com grandes e boas cidades que vocês não construíram,

com casas cheias de tudo que há de melhor, de coisas que vocês não produziram, com cisternas que vocês não cavaram, com vinhas e oliveiras que não plantaram. Quando isso acontecer, e vocês comerem e ficarem satisfeitos,

tenham cuidado! Não esqueçam o Senhor que os tirou do Egito, da terra da escravidão."

Deuteronômio 6:1-12

Nenhum comentário: