quarta-feira, 29 de agosto de 2012

JOIO COM CARA DE TRIGO?

Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo; Mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou joio no meio do trigo, e retirou-se. E, quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio. E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu, no teu campo, boa semente? Por que tem, então, joio? E ele lhes disse: Um inimigo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres pois que vamos arrancá-lo? Ele, porém, lhes disse: Não; para que, ao colher o joio, não arranqueis também o trigo com ele. Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas, o trigo, ajuntai-o no meu celeiro.
...
Então, tendo despedido a multidão, foi Jesus para casa. E chegaram ao pé dele os seus discípulos, dizendo: Explica-nos a parábola do joio do campo. E ele, respondendo, disse-lhes: O que semeia a boa semente, é o Filho do homem; O campo é o mundo; e a boa semente são os filhos do reino; e o joio são os filhos do maligno; O inimigo, que o semeou, é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifeiros são os anjos. Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo. Mandará o Filho do homem os seus anjos, e eles colherão do seu reino tudo o que causa escândalo, e os que cometem iniqüidade. E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes. Então os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.
Mateus 13:24-30; 36-43
 
Graças ao bom Deus, Mateus deixou registrado a interpretação desta parábola, coisa que não ocorre com a maioria delas. Aqui, Jesus dá nome aos bois. Explica direitinho quem é quem e assim fica mais fácil entender o que ele quis mostrar.
Fiz um exercício muito interessante, trocando as figuras da parábola pelas interpretações dadas por Jesus, então ficou assim:
 
"O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia os filhos do reino no mundo; Mas, dormindo os homens, veio o diabo, e semeou os filhos do mal no meio dos filhos do reino, e retirou-se. E, quando o reino cresceu e frutificou, apareceu também os filhos do mal. E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu, no mundo, os filhos do reino? Por que tem, então, filhos do mal? E ele lhes disse: O diabo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres pois que vamos arrancá-lo? Ele, porém, lhes disse: Não; para que, ao colher os filhos do mal, não arranqueis também os filhos do reino com ele. Deixai crescer ambos juntos até o fim do mundo; e, por ocasião do fim do mundo, direi aos anjos: Colhei primeiro os filhos do mal, e atai-o em molhos para o queimar; mas, os filhos do reino, ajuntai-o no meu celeiro "
 
Dessa forma quase não precisa de mais explicações; vou apenas tecer algumas considerações:
1. Com o crescimento do reino é inevitável que apareçam os filhos do mal. Se não fosse Jesus nos dizer que é o diabo quem planta os seus filhos no reino, seria quase natural supor que no meio de gente boa aparecesse também gente ruim. É uma conclusão estatística óbvia; já que o mal está intrínseco no ser humano, uma boa parcela da população deve ser má. Além de contarmos com a probabilidade, Jesus nos diz que o diabo dá uma forcinha pra essa conta aumentar ainda mais. Ele propositalmente, insere seus súditos no meio do reino para confundir quem olha para o reino e não consegue diferenciar uma coisa da outra.
 
2. Eles esão inseridos no reino para causar confusão. O diabo quer enganar a todo custo as pessoas e tentar fazer com que elas cheguem à fatídica conclusão que: se existe gente boa fora e dentro da igreja, que vantagem Maria leva estando dentro da igreja? Se o reino tem gente boa, mas também tem muito picareta, como eu posso ter certeza que esse negócio de evangelho realmente funciona?
 
3. É natural que haja uma inquietação dos filhos do reino. Não sei você, mas eu já me perguntei várias vezes: Por que Deus não age de uma vez e separa logo os bons dos ruins? Os cristãos não deveriam ser pessoas acima da média? Por que existe tanto escândalo? Por que o Senhor não dá um basta nisso de uma vez por todas? E nesta angústia que nos sobrevêm, tentamos às vezes separar à força o joio do trigo. Usamos até a "autoridade" da igreja para provocar esta separação "santa", e na maioria das vezes sempre causamos dor e perdas irreparáveis. Isto acontece porque no reino não se consegue avaliar o que está por dentro da terra; as raízes se interligam e se conectam em um amaranhado histórico e cultural onde qualquer prejuízo afeta todo o campo. Quando um joio que era tido como trigo cai, toda a plantação é afetada porque nossa visão de reino é muito limitada. Dito isto vamos ao próximo ponto
 
4. Não estamos aptos para fazer esta separação. Na parábola, os servos estão impacientes enquanto o senhor da terra mostra uma aparente tranquilidade. Esta tranquilidade não quer dizer que ele não se importa com o trabalho sujo do inimigo no seu campo. Quer dizer que ele sabe exatamente como agir para reparar este dano. Esta informação deve tranquilizar os servos, visto que tudo está sob o controle do senhor da terra. O único erro que não podemos cometer é querer separar antes da colheita uma planta da outra. Acreditem, o estrago será maior do que deixar as duas crescerem ao mesmo tempo.
 
5. Tanto o joio quanto o trigo vão crescer. Embora esta não seja a melhor das notícias, Jesus nos avisa para que não percamos a esperança e para que não caiamos no erro de achar que tudo está perdido. Quanto mais o reino de Deus se espalha, mais joio vamos ver crescendo junto, no mesmo terreno. O agravante desta história é que à primeira vista as duas plantas são praticamente idênticas e por isso quanto descobrimos que este trigo é um joio a decepção se torna ainda maior. Jesus não vai nos poupar dessa decepção, mas vai nos dar discernimento e graça para suportar esta situação. O que Ele nos garante é que a separação um dia vai acontecer.
 
6. E esta separação se dará somente no final dos tempos. Não adianta o homem querer antecipar a colheita, porque assim como a plantação precisa respeitar o ciclo natural de crescimento, os filhos do reino precisam respeitar o tempo determinado por Deus. Antecipar a colheita implica em dor, perdas e sofrimento dos quais Jesus quer nos poupar. A igreja de Jesus não foi chamada para separar, mas para unir. Quem irá separar são os anjos de Deus, não a igreja.
 
E assim Jesus quer nos mostrar porque o mal ainda prospera no mundo, porque tem tanto "cristão" cometendo iniquidade e escandalizando; porque há tanta injustiça mesmo no meio do reino. Aos filhos do reino cabe esperar o dia justo e fazer resplandecer a luz de Cristo. Por mais que às vezes seja difícil enxergar, Deus ainda está no controle da sua igreja, expandindo seu reino e no tempo certo fará a separação final.

Nenhum comentário: